BLOG

Instituto Brasileiro de Criminologia Cultural

 
 
Buscar
  • Salah H. Khaled Jr.

Novo artigo de Wayne Morrison, Salah H. Khaled Jr. e Tiago Lorenzini na Revista de Estudos Criminais

Salus populi suprema lex esto: cenas, atos de recordação e interpretações, sonhos febris e vislumbres através de portais; testemunho que reposiciona a iconografia de Thomas Hobbes na época de covid-19

Salus populi suprema lex esto: scenes, acts of recall and interpretations, fever dreams and glimpses through portals; testimony that re-positions the iconography of Thomas Hobbes in the time of covid-19


Inspirados por Clarice Lispector, os autores apresentam uma série de cenas e interpretações de seu cotidiano do último ano e meio, durante a pandemia de Covid-19. Esta é uma forma de testemunho, talvez para um julgamento: a saúde / segurança das pessoas tem sido a preocupação suprema dos Estados nacionais? Considerar as ilustrações que Thomas Hobbes fez para seus livros Do Cidadão de 1642 e o Leviathan de 1651, reenquadra essa preocupação. Enquanto Do Cidadão tinha três reinos, o de Deus e o julgamento final, o de um estado real de natureza e o do homem que segue a ciência política de Hobbes, o Leviathan tem apenas um reino secular de artifício e poder mundanos. Revisado durante o contexto da pandemia, reconhecemos que no Leviatã encontramos uma cena de confinamento e agora podemos ver melhor o estudo anterior de Hobbes, sobre os efeitos da Peste na Grécia clássica. A diferença nas ilustrações indica também o desaparecimento do estado de natureza junto com o desaparecimento dos nativos. Isso reenquadra a pandemia? O verdadeiro crime não é uma falha de gestão durante este tempo, mas uma arrogância de domínio, de estupro da natureza enquanto seguimos a estipulação de Hobbes para buscar a felicidade? Lispector já estava avisando sobre isso em seu sonho febril?


Disponível em: https://furg.academia.edu/SalahHKhaledJr


3 visualizações0 comentário